domingo, 8 de abril de 2018

Cabeleireiro Alfredo & Biquette | Tom


Com o recente encerramento do cabeleireiro Alfredo & Biquette, situado na Rua Garret, ao Chiado, Lisboa, é praticamente apagada do coração da cidade uma época de ouro do design de interiores, preconizada por este tipo de estabelecimentos comerciais, nos anos após a II Guerra Mundial.
Acompanhámos o fecho e desmontagem dos interiores deste cabeleireiro que, apesar de ter sofrido algumas remodelações ao longo dos tempos, conservava ainda a arquitectura e muitos dos objectos originais criados especialmente para o local, conferindo-lhe uma identidade própria, desde 1957, data da sua inauguração. 


Tom - Máscara/candeeiro, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © CMP 2018. 


Tom - Máscara/candeeiro, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © CMP 2018. 


Considerado um dos mais elegantes salões de cabeleireiro da capital, inicialmente denominado Salão Alfredo & Andrade, teve concepção de interiores da autoria de Tom, Thomaz de Mello (1906-1990), uma escolha que equivalia a uma afirmação de modernidade.
Este artista multifacetado foi um dos mais activos, desde o final da década de 1920, no desenho expositivo e de dispositivos de comunicação, tanto ao serviço do estado como de clientes privados.



Tom - Cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957, detalhe do arranjo da fachada. © Espólio Alfredo & Biquette, 1964. 


Tom - Cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957, arranjo da fachada. © Espólio Alfredo & Biquette, 1964. 




Tom, de nacionalidade brasileira, estabeleceu-se em Portugal em 1926, sendo um dos fundadores daquela que é considerada a primeira galeria de arte moderna portuguesa, a UP, criada em 1932, em Lisboa, de parceria com António Júlio de Castro Fernandes (1903-1975) e António Pedro (1909-1966).
Com uma actividade artística variada e prolífica, Tom dedica-se ao desenho e pintura, banda-desenhada, ilustração e caricatura, design gráfico e de equipamentos, criação de objectos decorativos e publicitários, tapeçaria e decoração de interiores, sendo um dos pioneiros do design industrial em Portugal. Integrando nas décadas seguintes as equipas que conceberam as representações portuguesas em exposições e feiras comerciais nacionais e internacionais, desenvolve uma apetência especial para o desenho expositivo, recorrendo a múltiplas técnicas e materiais.
Numa época em que a generalidade do equipamento era criado de raiz para cada espaço, já que a produção nacional era escassa e o mobiliário importado atingia custos incomportáveis, Tom concebeu a generalidade das peças necessárias aos interiores do cabeleireiro Alfredo & Andrade, recorrendo a manufactura portuguesa.
A excepção encontra-se em alguns detalhes decorativos, como por exemplo o puxador de porta nas imagens abaixo, de origem italiana.
Para além de desenhar a imagem corporativa da empresa, Tom utiliza algumas referências da história da arte, de modo a sugerir uma continuidade entre os conceitos passados e presentes da beleza feminina. Assim, na recepção, coloca um relevo policromado sobre madeira, recriação de uma pintura do antigo Egipto, representando os cuidados cosméticos, e por cima do balcão de atendimento uma reprodução do Retrato de Giovanna Tornabuoni, de Domenico Ghirlandaio, arquétipo do belo renascentista. 



Tom - Recepção, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © Espólio Alfredo & Biquette, 1957. 


Tom - Recriação de pintura egípcia, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © CMP 2018. 


Domenico Ghirlandaio, Retrato de Giovanna Tornabuoni, 1488.


Cabeleireiro Alfredo & Andrade, porta entre a recepção e o salão, puxador de fabrico italiano, 1957. © CMP 2018. 


Cabeleireiro Alfredo & Andrade, puxador de porta de fabrico italiano, 1957. © CMP 2018. 


Tom - Interiores, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © Espólio Alfredo & Biquette, 1957. 


Pelo menos desde os tempos da UP e de quando desenhou lambrilhas para o Pavilhão de Portugal na Exposição Universal de Paris, 1937, Tom mantinha contactos pontuais com a prática cerâmica. No entanto, em 1954, o artista aprofundará esta disciplina, realizando um conjunto de experiências na fábrica SECLA, Caldas da Rainha, peças apresentadas nos salões do SNI (Secretariado Nacional de Informação, Cultura Popular e Turismo), no ano seguinte. Consequentemente, este será um período em que a cerâmica aparecerá como opção nos seus projectos de decoração de interiores.
Assim, quando em 1956 trabalha na concepção do cabeleireiro Alfredo & Andrade, Tom cria um conjunto de candeeiros de parede dominados por máscaras femininas em cerâmica, revisitando a gramática decorativa Art Déco austríaca, aproximando-se da produção da fábrica Goldscheider (Goldscheider'sche Porzellan-Manufactur und Majolica-Fabrik), novamente em voga na década de 1950.
As máscaras e bustos Goldscheider eram produzidos em série, desde a década de 1920, a partir de modelos esculpidos por prestigiados modeladores profissionais, tomando várias funções (candeeiros, floreiras, etc.), sendo esta produção regularmente actualizada, com a introdução de novos modelos.
As máscaras concebidas por Tom assumem um carácter de autor, sendo modeladas e reproduzidas manualmente em pequena quantidade, provavelmente no Estúdio SECLA. Que se saiba, foram realizadas apenas onze, unicamente para este projecto e, apesar de não estarem marcadas ou assinadas, estas peças são coerentes com as experiências realizadas pelo autor no Estúdio SECLA e com outras peças produzidas pela fábrica durante o mesmo período (ver imagens abaixo).



Tom - Máscara/candeeiro, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © CMP 2018. 


Tom - Interiores, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © Espólio Alfredo & Biquette, 1957. 


Tom - Máscara/candeeiro, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © CMP 2018.


Tom - Máscara/candeeiro, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © CMP 2018.


Tom - Máscara/candeeiro, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © CMP 2018.



Goldscheider Keramik - Busto feminino, Viena, década de 1920© 1sttdibs



SECLA - Busto feminino, base de candeeiro, Caldas da Rainha, c. 1950-55. © HPS 


Tom - Máscara/candeeiro, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © CMP 2018.



Para o mesmo espaço, Tom concebeu candeeiros de tecto, mobiliário e equipamento específico de apoio a cabeleireiro. Desenhou também os fundamentais espelhos de formato trapezoidal que, tal como os grandes espelhos rectangulares, organizam o espaço, desmultiplicando-o em inúmeros efeitos ópticos. 
Conseguindo harmonizar com sucesso as tendências ‘espaciais’ e ‘atómicas’ do momento, que viriam a ser consolidadas na Expo58 em Bruxelas onde trabalhará no projecto expositivo do pavilhão português, com a estilização feminina Art Déco e referências da história da arte, inteligente, Tom orquestrará um espaço com o propósito de agradar simultaneamente a um público maduro e conservador, com poder económico, e também a uma frequência mais jovem, cosmopolita e moderna.   



Tom - Interiores, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © Espólio Alfredo & Biquette, 1957. 


Interiores do cabeleireiro Alfredo & Biquette, pouco antes do seu encerramento. © CMP 2018.



Tom - Detalhe do tecto, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © CMP 2018.



Tom - Interiores, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © Espólio Alfredo & Biquette, 1957. 


Interiores do cabeleireiro Alfredo & Biquette, pouco antes do seu encerramento. © CMP 2018.


Tom - Interiores, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © Espólio Alfredo & Biquette, 1957. 


Tom - Interiores, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © Espólio Alfredo & Biquette, 1957. 


Tom - Consola, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © Espólio Alfredo & Biquette, 1957. 


Walter Bosse - Cinzeiro/mão, Bosse/Baller Co., Viena, década de 1950. © 1sttdibs


Da selecção de objectos decorativos pode destacar-se, sobre a prateleira de vidro da consola, na imagem acima, um cinzeiro em bronze, em forma de mão estilizada, muito próximo do modelo criado por Walter Bosse (1904-1979), para a Companhia Hertha Baller. Designer e ceramista vienense, Bosse, que colaborara, a partir de 1926, com a já referida fábrica Goldscheider, começa a trabalhar em bronze no final da década de 1940, criando mais tarde uma série de peças produzidas e difundidas nos anos seguintes pela Bosse/Baller Co., com a designação "Linha Preto e Ouro", de que faz parte este cinzeiro e muitas outras pequenas figuras de animais. No entanto, o mais provável será que a peça sobre a consola seja de manufactura portuguesa, talvez proveniente da fábrica Barbeitos, Lisboa, conhecida pelo fabrico de figuras estilizadas em bronze polido, à maneira dos designers austríacos Walter Bosse e de Karl Hagenauer (1898–1956).



Tom - Móvel de apoio, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © CMP 2018.


Tom - Contentor de apoio com rodas, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © CMP 2018.


Tom - Interiores, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © Espólio Alfredo & Biquette, 1957. 


Tom - Candeeiros de tecto, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © CMP 2018.


Tom - Candeeiro de tecto, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © CMP 2018.


Interiores do cabeleireiro Alfredo & Biquette, durante a sua desmontagem. © CMP 2018.



Em 1969, o cabeleireiro passa a denominar-se Alfredo & Biquette, por alteração da sociedade que o constituía. Esta  designação e sociedade mantiveram-se até início de Abril de 2018, aquando do encerramento do estabelecimento. 


Tom - Logotipo do cabeleireiro Alfredo & Biquette, 1969. © CMP 2018.


Pela sua localização e qualidade, o salão reunia uma clientela seleccionada, frequentadora assídua do Chiado. A partir da segunda metade da década de 1960, uma das clientes habituais foi a editora dinamarquesa Snu Abecassis (1940-1980). A fundadora das Publicações Dom Quixote, em 1965, com escritórios situados na Rua da Misericórdia, nas imediações do Chiado, encomendou ao cabeleireiro, c. 1969-70, alguns penteados cujas imagens iriam ilustrar uma publicação desta editora, pioneira no tratamento de questões do universo feminino e da condição da mulher. 



Alfredo & Biquette - Penteado para ilustração de uma publicação da editora Dom Quixote, c. 1969-70. © Espólio Alfredo & Biquette.

Alfredo & Biquette - Penteado para ilustração de uma publicação da editora Dom Quixote, c. 1969-70. © Espólio Alfredo & Biquette.


No exterior, apesar da manutenção da sobriedade do traçado da fachada, a intervenção de Tom, adicionando alguns elementos distintivos, foi suficiente para criar uma articulação com os estabelecimentos comerciais circundantes.
O salão de cabeleireiro situava-se num primeiro andar sobre as históricas Casa Pereira, mercearia fina fundada em 1930, e a Instanta, loja de fotografia fundada em 1937.  Das suas solarengas varandas podia ver-se a entrada da Rua Ivens e, a partir de 1963, a Casa da Sorte, desenhada pelo arquitecto Francisco da Conceição Silva (1922-1982), com painéis cerâmicos de Querubim Lapa (1925-2016). 
Por agora, conserva-se a vista, já que o uso será outro e o futuro também.



Fachada do cabeleireiro Alfredo & Biquette. © CMP 2018.


Tom - Elemento decorativo da guarda da varanda, cabeleireiro Alfredo & Andrade, 1957. © CMP 2018.


Querubim Lapa - Fachada da antiga Casa da Sorte, actual pastelaria Alcôa, vista do cabeleireiro Alfredo & Biquette. © CMP 2018.


Interiores do cabeleireiro Alfredo & Biquette, durante a sua desmontagem. © CMP 2018.



CMP* agradece todas as imagens cedidas e informações prestadas pelos proprietários dos cabeleireiro Alfredo & Biquette. Agradece também ao coleccionador HPS a cedência de imagens de peças da sua colecção.